De 03 a 09 de julho foi realizada na Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB), em Porto Seguro/BA, a 68ª Reunião da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (68ª Reunião da SBPC), o maior evento de divulgação científica da América Latina, com presença de cerca de 10 mil pessoas, entre pesquisadores, cientistas, autoridades, estudantes e profissionais de diversas áreas.

A Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais (ESP-MG), juntamente com outras instituições mineiras, realizou cobertura conjunta das atividades, por meio da Rede Mineira de Comunicação Científica (RMCC), da qual faz parte, com o objetivo de garantir uma cobertura mais abrangente e diversificada do encontro

Em dois dias de cobertura, a Escola esteve presente em debates sobre saúde global, saúde pública e coletiva, com destaque para palestras sobre a Tríplice epidemia de dengue, chikungunya e zika, microscopia, popularização da ciência, gargalos na produção de vacinas e desafios da educação superior em saúde.

Confira aqui as matérias produzidas pela Agência RMCC 

Nessa edição

Com o tema “Sustentabilidade, Tecnologias e Integração Social”, o evento foi espaço de inserir a ciência no cotidiano das pessoas, valorizar a produção científica nacional, além de ampliar o debate acerca de políticas públicas para a ciência e tecnologia, mas também dedicou parte de sua programação para atos de manifestação e repúdio contra as ações de desmonte de políticas públicas promovidas pelo governo interino.

Aos gritos de “Fica MCTI” os participantes da 68ª Reunião da SBPC realizaram ato em defesa de uma pasta exclusiva para a ciência, tecnologia e inovação, rechaçando a decisão do governo interino de criar o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações a partir da fusão do MCTI com o Minicom.

Para Williame Carvalho, docente da Universidade Estadual do Maranhão (UEMA), a fusão das duas pastas é uma perda política e social e deixa uma sorte de órfãos de ações de desenvolvimento científico. “O MCTI aglutina projetos estratégicos, diferente das Comunicações que têm suas prioridades, são atuações distintas. Ele afirmou ainda que esse ato é simbólico e potente, pois foi pautado por questões republicanas e democráticas que resgata as origens e raízes da luta pelo desenvolvimento do Brasil.

Adam Ferreira, estudante da Universidade Estadual Paulista (Unesp), citou as perdas das estratégias de democratização da ciência e tecnologia com a união das pastas. “O governo interino, além de anti-democrático, promove um retrocesso no acesso à educação de qualidade e avanços no país. A sociedade brasileira está sem voz, sem representação, guiada por um modelo obsoleto e opressor de fazer política”, disse.

Vozes, diversidade e inclusão

Em 07 dias de programação dividida pelos espaços da UFSB, alguns em formato de ocas, símbolo de fortalecimento dos indígenas e de resgate da história da região, os presentes puderam participar de atividades de inovação, mostra de pôsteres, apresentações musicais e artísticas, conteúdo para jovens dos ensinos médio e fundamental, como também terem acesso a diferentes movimentos e iniciativas, como a produção de chocolate orgânico do assentamento do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) de Arataca/BA, roda de dança, teatro, oficina para crianças indígenas e posicionamentos sobre a violação de direitos originários garantidos tanto na constituição brasileira quanto nos instrumentos jurídicos internacionais do qual o Brasil é signatário sobre as tribos indígenas.

Dados

No total, foram apresentados 2.152 trabalhos, sendo 430 pôsteres por dia. Do total, 1.607 são trabalhos relativos a pesquisas científicas, experiências e práticas de ensino-aprendizagem e relatos de caso ou experiências. Os outros 545 trabalhos foram encaminhados por instituições.

69ª Reunião da SBPC

Em 2017, a 69ª Reunião da SBPC será realizada na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), em Belo Horizonte/MG, em comemoração aos seus 90 anos de fundação.

Confira as fotos: https://goo.gl/O6m1H2.

Por Sílvia Amâncio