A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) lança neste mês a campanha “Setembro Verde” para incentivar a doação de órgão. Com o slogan “Doe órgão, doe vida”, a ação quer conscientizar as pessoas sobre a importância da doação de órgãos e, ao mesmo tempo, incentivar as pessoas a conversarem com seus familiares e amigos sobre o assunto.

A iniciativa é promovida em alusão ao Dia Nacional de Doação de Órgãos (27/09). Porém, a campanha começa a ser veiculada a partir do dia 1º de setembro, durando todo o mês de setembro, com posts no Blog da Saúde MG e nas redes sociais da SES-MG, além de um hotsite, o “Doe órgãos”. Também, como parte da campanha, prédios serão iluminados em Belo Horizonte e cartazes serão fixados nas estações de metrô. No dia 27 de setembro uma ação especial acontece entre os servidores da Cidade Administrativa com distribuição de folders e adesivos.

“Atualmente, cerca de 40% das famílias recusam a retirada de órgãos para a doação. Para que esse percentual possa ser ainda maior, permitindo a realização de mais transplantes, é importante orientar as pessoas a falarem com sua família sobre o seu desejo de ser um doador e salvar vidas”, disse a médica consultora da SES-MG, Galzuinda Figueiredo Reis.

Dados de março de 2017, indicam que 3.392 pessoas aguardam por um transplante no estado. Deste 2.352 esperam por um rim, 41 por um fígado, 34 por coração, 1 espera pâncreas, 52 por pâncreas/rim e 912 esperam por córnea.

Segundo Omar Lopes Cançado Junior, coordenador do complexo MG Transplantes, responsável pela coordenação de doação de órgãos e a sua destinação para transplantes, “as principais dificuldade enfrentadas pela captação dos órgãos é a baixa notificação pelos hospitais do estado de potenciais doadores e o aumento na taxa de recusa familiar no momento da solicitação de doação”.

Ser um doador

Para ser um doador, o passo principal é informar o desejo à família. Isto porque, após o diagnóstico de morte encefálica, a família é consultada e orientada sobre o processo de doação de órgãos. Esta conversa, geralmente, é realizada pelo próprio médico do paciente, pelo médico da UTI (Unidade de Terapia Intensiva) ou pelos membros da equipe de captação, que prestam todas as informações que a família necessitar.

Considera-se como potencial doador todo paciente em morte encefálica. A morte encefálica, mais conhecida como morte cerebral, representa a perda irreversível das funções vitais que mantêm a vida, como a perda da consciência e da capacidade de respirar; o que significa que o individuo está morto. O coração permanece batendo por pouco tempo e é neste período que os órgãos podem ser utilizados para transplante.

Silvia Marquez Henriques, referência técnica da SES-MG em transplante e doença renal crônica, explica que após o diagnóstico de morte encefálica, as Centrais de Notificação, Captação e Distribuição de Órgãos (CNCDO) devem ser acionadas. “Essa notificação é compulsória, independente do desejo familiar de doação ou da condição clínica do potencial doador de converter-se em doador efetivo”, revela.

Quando o doador é uma pessoa falecida, podem ser retirados para transplante duas córneas, dois rins, dois pulmões, fígado, coração, pâncreas, intestino, pele, ossos e tendões. Ou seja, um único doador pode salvar muitas vidas.

Saiba mais: https://goo.gl/Mnm4RG

Por Juliana Gutierrez (SES-MG)