Na última quinta-feira, dia 27 de junho, a Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais (ESP-MG) formou mais uma turma da Especialização em Atenção a Usuários de Drogas no SUS. A cerimônia, realizada no auditório da instituição, reuniu alunos, familiares, docentes, convidados, trabalhadores e um grupo de teatro que realizou uma sagaz e divertida apresentação aos presentes.
O evento se dividiu em dois momentos: o primeiro, pela manhã, contou com a apresentação teatral realizada pelo grupo do Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas II – CAPS AD II de Manhuaçu, homenagem a servidores, docentes e alunos, além da entrega do Certificado simbólico de Conclusão de Curso; no segundo, à tarde, foi realizada a aula de encerramento “Na ‘guinada à abstinência’, há lugar para o cuidado, os direitos e as diferenças?” com os professores convidados Tadeu Souza, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e Nathália Oliveira, Coordenadora da Iniciativa Negra por uma nova Política sobre Drogas.
 
O servidor Marcelo Arinos foi homenageado pelos colegas da Escola, por sua contribuição no trabalho da instituição, na reforma psiquiátrica e docência. Emocionado, disse que se sente honrado em fazer parte do grupo de trabalhadores ESP-MG e que aqui, sente-se em casa. Os alunos homenagearam a coordenadora do Curso, Ana Regina Machado, por suas contribuições, não só como coordenadora, mas também como docente do curso.
A homenagem à turma foi feita pela aluna e oradora da turma Suelen Luisa, que emocionada falou da importância do curso, dos colega e docentes. Contou sobre as vivências, amizade e conhecimentos adquiridos para a vida profissional dos alunos.
 
A diretora-geral da ESP-MG, Lenira Maia, parabenizou os formandos, trabalhadores e coordenação do curso pela conclusão da Especialização. Falou da importância Escola  e das discussões do curso para o trabalho e avanço das políticas sobre drogas e saúde mental no Sistema Único de Saúde - SUS.
 
Sentidos do Curso
 
A aluna Asthariana Lima, psicóloga e arte terapeuta do CAPS AD II de Manhuaçu, atriz e fundadora do grupo teatral disse que o curso foi fundamental para sua atuação profissional, não só tecnicamente, mas também na troca de saberes e experiências. “O curso é de extrema relevância neste momento que vivenciamos no país. Estamos passando por retrocessos e a desconstrução de políticas de Saúde já consolidadas. A especialização me acrescentou muito, tanto no conhecimento técnico-teórico, quanto nas trocas de experiências junto aos colegas, além dos conhecimentos transmitidos pelos professores.  O curso é excelente, muito rico para a formação de uma trabalhadora do CAPS, como eu”, disse.
 
Sobre o teatro ela conta que é um projeto novo que objetiva ser um espaço em que o usuário possa expressar suas emoções, pensamentos e afetos, possibilitando novas formas de cuidado e reinserção social: “O teatro entra como mais uma forma de cuidado possível dentro da proposta da reforma psiquiátrica baseada nos direitos de cidadania e do cuidado em liberdade, respeitando a singularidade de cada um”, falou.
 
Ana Regina Machado, Coordenadora da Especialização, disse que o curso trabalhou em linhas de cuidado que se diferem do isolamento e internação, apostando na liberdade das pessoas e novos arranjos para que possam viver de maneira digna, sendo ou não usuárias de drogas.  “Temos passado por um momento muito delicado em relação às políticas sobre drogas. Concluir uma turma de especialização neste momento é fundamental. Acreditamos que os alunos estão saindo daqui com capacidade de refletir, inovar e apostar em cuidado baseado nos direitos humanos, na ética e na possibilidade de reduzir os danos associados ao consumo de álcool e drogas”, disse.
 
A coordenadora comemorou a conclusão de mais uma turma: “Estou muito feliz pelo encerramento desta turma e entendo que há, agora, mais alguns profissionais em Minas preparados para os desafios que temos no campo da atenção ao usuário de drogas no Sistema Único de Saúde,” comemora.

Camila dos Santos, aluna e psicóloga da Unidade de Acolhimento Transitório de Belo Horizonte, falou sobre a importância da troca de experiências no curso, os desafios do trabalho e elogiou a ESP pela escolha dos docentes. “ A experiência de estar na ESP me toca no ponto de poder aprender com colegas que vem de realidades diferentes. A especialização me trouxe muitas inquietações e questionamentos que seguirão comigo em toda ocupação que eu exercer. Outro fator que fez toda diferença, foi que a maioria dos docentes e convidados são pessoas que trabalham no SUS, que vivenciam diariamente as experiências e desafios do serviço, da reforma psiquiátrica e do sistema, e trazem isso para sala de aula, o que foi enriquecedor para nós”.

A Especialização
 
O curso, que está em sua segunda turma, formou 37 alunos, profissionais atuantes na Rede de Atenção Psicossocial- RAPS, de 20 municípios de Minas. Teve como objetivo a qualificação para a implantação de desenvolvimento de práticas éticas, inovadoras e resolutivas para atenção a usuários de drogas no Sistema Único de Saúde.

Por Jean Alves (ASCOM/ESP)