A Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais (ESP-MG) promoveu nessa quinta-feira, 10/06, às 15h, o Webinário: "Supervisão clínico-institucional: proposições para a RAPS de Minas". A atividade é resultado de uma parceria da ESP-MG com a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), por meio da Diretoria de Saúde Mental, Álcool e outras Drogas.

Este Webinário é o segundo de uma série composta por três encontros, que têm como objetivo apresentar temáticas de relevância para o campo da saúde mental e que dialoguem com a experiência de supervisão clínico-institucional, desenvolvida em diferentes municípios de Minas Gerais.

A transmissão foi feita pelo Canal da Escola no Youtube e está disponível em: youtube.com/escolasaudepublicamg

Participaram deste Webinário, a psiquiatra, doutora em filosofia e militante do movimento da luta antimanicomial, Ana Marta Lobosque; a psicóloga, doutora em saúde coletiva e trabalhadora de saúde mental da Defensoria Pública da Bahia, Patrícia von Flach e a diretora de saúde mental, álcool e outras drogas da SES-MG, Lírica Mattos. A mediação foi feita pela trabalhadora da ESP-MG, Ana Regina Machado, que também é psicóloga e doutora em saúde coletiva.

Ana Marta Lobosque abriu o debate falando sobre a importância do trabalho da supervisão clínico institucional no serviço de saúde mental. De acordo com ela, a supervisão clínica é um instrumento ímpar para a RAPS e precisa ser feita por um profissional que compreenda em profundidade o funcionamento do SUS. "Também acredito que seja função do supervisor ressaltar a importância do controle social, da participação dos conselhos de saúde na RAPS, promovendo o protagonismo dos usuários", pontuou.

Em seguida, a trabalhadora de saúde mental da Defensoria Pública da Bahia, Patrícia von Flach compartilhou sobre sua experiência na Bahia, especificamente no município de Salvador. Patrícia contou que foi coordenadora do primeiro CAPS AD (Centro de Atenção Psicossocial - Álcool e Drogas) de Salvador e que agora faz parte da equipe de saúde mental, que atua na Defensoria Pública. De acordo com ela, "a supervisão ajuda a não construir redes- armadilhas, que são aquelas que irão conduzir os usuários para serviços que não irão fazer o cuidado em liberdade. É importante sustentar o diálogo, porque iremos construir com o outro uma nova realidade". Ela apresentou também o projeto Girassóis de rua, que tem por objetivo prestar cuidado psicossocial para a população em situação de rua e/ou usuários de substâncias psicoativas, em Salvador.

A diretora de saúde mental, álcool e outras drogas da SES-MG, Lírica Mattos concluiu as falas comentando sobre o papel do supervisor clínico institucional e do Plano de aplicação de recursos financeiros, previstos na resolução SES-MG, número 7.168 de 20 de julho de 2020.

De acordo com Lírica, é necessário que o supervisor desenvolva uma ação de fortalecimento da política estadual de atenção psicossocial, articulando construções conjuntas de estratégias junto com a equipe do CAPS e de outros serviços. Também é importante que este profissional ajude a promover uma integração com todos os serviços da rede. "É função também deste profissional priorizar a autonomia, o protagonismo e a construção coletiva com os usuários", reforçou.

Próximo Webinário

O próximo e último Webinário desta série irá acontecer no dia 08 de julho e terá como tema: "Supervisão clínico-institucional: compartilhando experiências das RAPS de Minas".
Este, e o primeiro webinário, que aconteceu no dia 13 de maio, estão disponíveis no Canal da Escola no Youtube.

Por Vívian Campos - Ascom/ESP-MG

Enviar para impressão